FC2017 – Conheça o júri de sala das semifinais

fc2017-logoTeve lugar esta manhã a conferência de imprensa do Festival da Canção 2017, a partir das 11h30, no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, que será o palco da grande final do certame no próximo dia 5 de Março.

Júlio Isidro (FC1991, FC1992 SF, FC1993 SF, FC2015 e ESC1975) terá o lugar de presidente do júri e revelou os restantes oito elementos que com ele irão fazer parte do júri de sala que avaliará as 16 canções nas duas semifinais. São eles Ramón Galarza (FC/ESC1980, FC1984, FC1985, FC1986, FC1987, FC1988, FC1989, FC1990, FC1994, FC1996, FC1997, FC2001, FC2006, FC2007, FC2009, FC2010, FC2011, FC2012), Tozé Brito (FC1972, FC1976, FC1977, FC/ESC1978, FC1979, FC1980, FC/ESC1982, FC1983, FC1984, FC/ESC1985, FC2009, FC2010, FC2011, FC2012) Gabriela Schaaf (FC1979, FC1986), Dora (FC/ESC1986, FC/ESC1988), Nuno Markl (FC2008), João Carlos Callixto, Inês Meneses e Inês Lopes Gonçalves.

Conforme referimos no passado dia 15 de Janeiro confirmam-se as presenças de Júlio Isidro e de Inês Lopes Gonçalves, que tinham sido faladas durante o programa Inesquecível de passagem de ano, onde Gonçalo Madail falou acerca do Festival da Canção 2017. Recorde este artigo aqui.

Júlio Isidro nasceu em Lisboa no ano 1945, é um locutor de rádio português e grande profissional de televisão. É reconhecido como um dos mais bem sucedidos profissionais da televisão portuguesa. A sua primeira ida à televisão foi na qualidade de elemento do coro do Liceu Camões. Pouco tempo depois de completar 15 anos, estreou-se na RTP, co-apresentando o programa infantil com Lídia Franco. Em 1968 começou a trabalhar na Rádio Clube Português à noite, apresentando noticiários, enquanto durante o dia exercia a sua atividade profissional como delegado de informação médica. Nas tardes de domingo da RTP obtém grande sucesso com programas como O Passeio dos Alegres, Festa é Festa e A Festa Continua. Em todos havia momentos musicais, passatempos, entrevistas ligeiras e momentos de humor. Presentemente Júlio Isidro tem um programa na RTP Memória, o Inesquecível que tem obtido grande sucesso. Júlio Isidro esteve por diversas vezes a apresentar o Festival da Canção. A primeira delas em 1991 com Ana Paula Reis. Apresentou as semifinais dos anos 1992 e 1993 e em 2015 a final com Catarina Furtado. Antes, no ano 1975, tinha feito a locução do Festival Eurovisão da Canção, no ano em que Portugal foi representado por Duarte Mendes.

Ramón Galarza é filho do compositor e maestro Shegundo Galarza e tal como o pai, também ele tem estado envolvido no certame desde há vários anos. A sua primeira participação num Festival RTP da Canção data de 1980, quando foi membro do coro que acompanhou José Cid, quer em Portugal, quer depois em Haia. Como orquestrador participou no Festival RTP 1984, colaborando nos temas Num Olhar e Notícias Vêm, Notícias Vão, interpretadas por Marisa e Rita Ribeiro, respetivamente. Com a mesma função continua nos festivais dos anos seguintes: 1985, 1986, 1987, 1989, entre tantos outros. A sua estreia como maestro no Festival data de 1989, no tema Assim Recordo-me de Ti, interpretado pelo grupo Eccos, função que desempenhou também em vários Festivais dos anos 90. Com o iniciar de um novo modelo de Festival foi convidado em 2006 para produtor de dois temas, um deles sendo também ele o compositor da música As Minhas Guitarras, interpretado por Cuca. Volta à mesma função no ano seguinte. A partir daí tem sido designado pela RTP como produtor de apoio para os temas concorrentes, normalmente em parceria com Fernando Martins. Participou como compositor e arranjador de vários programas televisivos desde a década de 80 até à atualidade. Em 1986 funda a sua editora Tcha Tcha Tcha, que tem até à atualidade editado variadíssimos nomes da música portuguesa. Ramón Galarza já integrou por diversas vezes as comitivas portuguesas para a Eurovisão e em 2015 assegurou os comentários para a RTP em conjunto com Hélder Reis.

Tozé Brito nasceu no Porto em 1951. É um cantor, compositor e letrista português. Presentemente é diretor e administrador da Sociedade Portuguesa de Autores. O seu nome está também muito ligado ao Festival da Canção, quer como cantor em 1972 no tema Se Quiseres Ouvir Cantar e 1979 a interpretar Novo Canto Português, quer como autor e compositor de muitas outras canções que foram apresentadas ao longo de anos no nosso Festival, quer ainda como responsável da editora Polygram / Valentim de Carvalho. Esteve presente no Festival da Eurovisão em 1978, integrado nos Gemini, com o tema Dai Li Dou. Ainda no âmbito eurovisivo foi co-autor e co-compositor da canção Bem Bom que as Doce levaram ao ESC1982. Em 1985 foi o compositor da canção Penso em ti (eu sei) que Adelaide Ferreira levou à Eurovisão em representação de Portugal. Tem sido autor e compositor de inúmeros temas de sucesso na música portuguesa.

Gabriela Schaaf foi uma cantora que marcou uma geração no final dos anos 70, inícios dos anos 80. Nasceu em 1960 em Basileia, na Suíça. O seu pai é suíço e a mãe italiana, mas foi para a cidade do Porto que foram viver em 1971. Estudou no Colégio Alemão e foi aí que o maestro José Calvário a descobriu, com o sonho de ser cantora. Fez audições e prestou provas e em 1977 gravou três temas com a Banda do Casaco para o disco Hoje Há Conquilhas, Amanhã Não SabemosNuno Rodrigues e António Avelar de Pinho, autores da Banda do Casaco compõe para a cantora um dos seus mais belos temas: Põe Os Teus Braços À Volta de Mim. Este foi sem dúvida o êxito mais fulgurante da (curta) carreira de Gabriela Schaaf. A sua voz doce e ternurenta fez com que rapidamente se tornasse numa das cantoras mais conhecidas no final da década de 70. Em 1979 participou no Festival da Canção, na final no Teatro Monumental, onde alcançou o 2º lugar, com o tema Eu Só Quero, tema este que mais tarde foi regravado por Rita Guerra. No Verão de 1979 gravou o disco Vídeo, que incluía os êxitos O Amor É Mais e Homem Muito Brasa, que ainda hoje é um tema muito conhecido e com muitas versões, uma delas que faz parte da banda sonora da novela da TVI, A Única Mulher. Posteriormente foi viver para Nova Iorque, onde deu aulas de Português e Alemão. Voltou a Portugal, onde em 1982 gravou o disco Outra Vez: Táxi Girl do Meu Coração e Leva-me Ao Cinema são dois dos temas mais emblemáticos deste trabalho. Vai viver para a Suíça e volta em 1986 para editar ainda um máxi-single intitulado Only A Fool, só com temas em inglês e para participar no Festival da Canção desse ano, pelo Centro de Produção do Porto, com a lindíssima balada Cinzas e Mel. Depois abandonou a carreira artística e refugiou-se na Suíça, em Zurique, onde vive até hoje e é dona de uma loja de decoração.

Dora é cantora e atriz, nasceu em Lisboa em 1966. Iniciou a sua carreira nos anos 80 e ganha grande projeção quando venceu o Festival da Canção 1986 com o tema Não Sejas Mau Para Mim, tema que levou ao Festival da Eurovisão que teve lugar em Bergen, na Noruega, onde fez sensação. Nesta sua primeira fase artística vence o Prémio Nacional da Música que decorreu em 1988 no Casino da Figueira da Foz, com o tema Déjà Vú. Nesse mesmo ano representou, de novo, Portugal na Eurovisão com a canção Voltarei. No ano de 1990 representa a RTP no Festival OTI da Canção com a balada Quero Acordar. Depois Dora faz um interregno na sua carreira e vai para o Brasil, tendo regressado em 2001, tendo sido cantora residente do Casino Estoril. Em televisão, na RTP, foi cantora residente do programa A Canção da Minha Vida e na TVI fez parte dos concorrentes de A Tua Cara Não Me É Estranha. Tem estado ultimamente como atriz nos projectos musicais de Filipe La Féria no Casino Estoril.

Nuno Markl é humorista, escritor, locutor de rádio, apresentador de televisão e argumentista. Começou a sua carreira na rádio, destacando-se a passagem pela Rádio Comercial (1993-1997). Entrou para as Produções Fictícias em 1995, onde escreveu muitos sketches para vários programas, entre eles os de Herman José. Editou vários livros, entre os quais O Homem que Mordeu o Cão, que se tornou num êxito. Colaborou com a SIC Radical, onde participou no programa Curto-Circuito em 2002. Em 2007 aceitou o convite da RTP para ser jurado da terceira edição da Operação Triunfo e mais tarde colaborou no programa Sexta à Noite com Malato. Paralelamente ao seu trabalho na rádio e na televisão, também fez dobragens de vários filmes de animação, onde se destaca História de uma Abelha. No final de 2009 regressa à Rádio Comercial como autor da rubrica Caderneta de Cromos que se tornou um enorme êxito. Colaborou na M80 onde é o responsável também por uma rubrica semelhante de nostalgia dos temas dos anos 70 e 80. Foi um dos apresentadores do programa da RTP 5 para a Meia-NoiteNuno Markl foi o letrista do tema Canção Pop, que Ricardo Soler interpretou no Festival da Canção 2008 e que se classificou em 4º lugar, com música de Renato Júnior.

João Carlos Callixto nasceu em Lisboa em 1977. A música portuguesa tem sido a sua paixão desde a segunda metade dos anos 90 do século XX, mas o período sobre o qual mais se tem debruçado é o período entre meados dos anos 50 e a década de 80. Em 2005, publicou o livro Na Terra dos Sonhos, uma recolha da obra poética de Jorge Palma, e em 2013 escreveu textos para o livro Portugal Eléctrico, uma história ilustrada das primeiras décadas do rock em Portugal. Foi colaborador de diversas editoras musicais, tem coordenado e/ou escrito as notas para reedições de vários discos portugueses. Em 2010, colaborou na Enciclopédia da Música em Portugal no Século XX. Entre 2011 e 2012, foi um dos autores da série documental em 26 episódios Estranha Forma de Vida – Uma História da Música Popular Portuguesa, transmitida na RTP. É autor do programa de música Passado ao Presente, transmitido semanalmente na RDP Internacional e também foi autor da rubrica Festival no Coração que também passou diariamente na RDP Internacional e com a qual o nosso site colaborou. João Carlos Callixto é um dos maiores investigadores da música portuguesa e é um dos nossos parceiros em diversas rubricas deste site desde há alguns anos para cá, como também temos ajudado o autor nos seus programas e edições de livros, o último deles Canta, Amigo, Canta. onde recorda a discografia de muitos dos cantores da década de 70. É o responsável pela rubrica Gramofone, emitida semanalmente na RTP Memória há quase um ano e meio.

Inês Lopes Gonçalves é uma das vozes da Antena 3 e a apresentadora do programa Traz Prá Frente, na RTP Memória. Faz também parte da equipa do 5 Para a Meia Noite, na RTP1. O seu nome está ligado à televisão e à rádio tendo passado também pela revista Sábado, jornal Expresso, Time Out e também pelo Canal Q, onde esteve alguns anos.

Inês Meneses faz parte da Rádio Radar e é uma das vozes da Antena 1, onde apresenta um programa em colaboração com Júlio Machado Vaz. É jornalista e tem uma página semanal no jornal Expresso.

Fonte: RTP, Festivais da Canção

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s