Esta Festa das Canções – O nosso painel comenta a canção do Azerbaijão

Chegou a vez de comentarmos a canção do Azerbaijão que irá estar presente na Primeira Semifinal, com o nº 8 que terá lugar no dia 9 de Maio, em Kiev.
O Azerbaijão participa no Festival da Eurovisão desde 2008, com assinalável sucesso, na medida em que sempre alcançou as finais, venceu em 2011 com o tema Running Scared interpretado pelo duo Ell & Nikki e esteve por cinco vezes no Top 5, entre nove presenças na Eurovisão.
Este ano o Azerbaijão faz-se representar pela canção Skeletons interpretada por Dihaj, aceda aqui à nossa ficha da canção do Azerbaijão.
É a canção nº8 da primeira semifinal.

Comentários dos nossos convidados especiais à canção do Azerbaijão:

Sofia Lopes VieiraNão aprecio a canção, mas consigo reconhecer as qualidades vocais de Dihaj. Não apresenta nenhum factor que a destaque das restantes, mas percebo que poderá ir ao encontro dos gostos do público do ESC. 13/20

Carluz BeloUma voz bem encaixada numa canção pouco interessante. A produção musical tenta acompanhar a modernidade, mas não há milagres quando estamos diante de uma base de canção que tem pouco sumo. Apesar de tudo, consegue estar num patamar médio, pois colmata algumas falhas com detalhes interessantes, como a repetição de palavras e os jogos de vozes do coro. 12/20

João Ferreira – Uma canção diferente e sectária, muito ao estilo indie, que agrada a alguns segmentos mais jovens na Europa. Pessoalmente, gosto da canção, ouve-se com agrado e tem uma base vocal muito segura e com uma qualidade muito profissional, mas esperava mais de Dihaj, que na sua carreira tem habituado os seus fãs a temas híper inconvencionais, não sendo o caso desta música a concurso. Dependerá muito do que acontecer em palco. A adaptação do seu estilo tradicional ao certame eurovisivo poderá ditar uma classificação a meio da tabela, sendo que fará todo o sentido que esteja na Final. 13/20

Jorge MangorrinhaFalta a “carne”. 13/20

Nina PintoEste ano está repleto de canções pop, no mesmo registo que acabarão por se anular umas às outras. A proposta azeri na minha opinião está longe dos seus tempos áureos ainda assim acaba por ganhar pontos na apresentação e não me parece que este ano vá ser diferente. Deverá estar na final. 15/20

Nuno Marques da SilvaOutro país que fará de tudo para voltar a ter a Eurovisão de volta à terra do fogo. No entanto não me parece que seja este ano. Uma batida estafada e abusada. Bem cotada nas bolsas de apostas mas acho que mais por um palpite de quase sempre se dar bem nas lides eurovisivas do que propriamente pela qualidade da canção. Um misto de sonoridades de Lady Gaga, Rihanna e afins… 08/20

Pedro SáApesar de desta vez a canção não ser made in Sweden, é mais do mesmo que esse país nos tem trazido nos últimos anos. Bonzinho mas nada de mais. 13/20

Sérgio Lourosa AlvesTal como nos tem habituado, mais uma proposta diferente por parte de Azerbaijão. Balada eletrónica, muito bem cantada, e acentua-se com um “bridge” em crescendo, e um refrão que reforça bem a mensagem da música, tendo um trabalho de coros excelentes. O aspeto positivo recai sobre a inovação desta música, e espero que os efeitos de palco sejam formidáveis, tal é apanágio de Azerbaijão. 14/20

Comentários dos elementos do site Festivais da Canção à canção do Azerbaijão:

Miguel MeiraO Azerbaijão apresenta mais uma vez uma proposta pop, muito bem produzida e que em palco será um sucesso, tal como as suas antecessoras. Não morro de amores pelo tema, apesar de perceber que está bem construído e dentro dos temas mainstream que se fazem hoje em dia. Dihaj cumpre vocalmente e toda a produção em palco será uma mais-valia para passar à final e se classificar no TOP 10 novamente! 13/20

Vasco da Câmara PereiraE quando será que o Azerbaijão se fará representar por algo mais nacional e menos sueco? Todos os anos me questiono: será que não há gente a compor música neste país? Pronto, é uma canção pop que se ouve bem e que está bem construída. Mas, como todos os anos, parece-me mais uma canção saída do Melodifestivalen. 14/20

André Miguel GodinhoO Azerbaijão este ano apostou numa canção mais alternativa. É uma canção interessante, mas pode ser um risco para um país que nunca falhou a final. 12/20

Carlos PorteloUma canção muito sueca, moderna, agradável, mas a mais fraca que este país já apresentou no ESC. Será finalista, não pela qualidade do tema, mas por razões extra musicais. Há que cumprir a tradição. 10/20

Gonçalo CoelhoEsta canção passa-me completamente ao lado. Não desgosto, mas também não gosto. Ouvi-la-ia sem qualquer esforço numa estação de rádio, mas no segundo em que terminasse não ia conseguir reter nada. É uma canção demasiado genérica, comum e impessoal para conseguir destacar-se entre 43 temas, pelo menos para mim. Se tiver uma boa apresentação em palco e se Dihaj conseguir ser competente vocalmente (dois problemas que têm prejudicado as últimas representações azeris), então o Azerbaijão conseguirá um dos 10 lugares de apuramento para a final. No entanto, não será ainda desta que a Terra do Fogo regressará ao top 10 da final, onde não chega desde 2013. 12/20

Guilherme RuivoO Azerbaijão inovou este ano. Desde 2010, todas as suas canções são baladas pop orelhudas e bem interpretadas, normalmente escritas por suecos. Skeletons é sem dúvida uma proposta muito interessante e talvez a melhor do país desde 2009. É contemporânea, excelentemente interpretada e fica no ouvido. Não é original, soa a Lorde, como muitas entradas eurovisivas desde 2015, mas não será prejudicada por isso. Pode ser o ano em que voltamos a ver o Azerbaijão voltar ao top 10 de onde teimou em não sair por tantos anos. 16/20

João Velada Uma vez mais, o Azerbaijão compete com uma excelente proposta musical na Eurovisão. Um tema pop algo alternativo que cria uma excelente atmosfera que me agarra desde o primeiro ao último segundo. Aprecio igualmente a voz bastante interessante da cantora. Não sei se o país irá voltar ao top 10 ou continuar afastado dele como nos últimos três anos, mas por mim merecia um lugar no top 3. 20/20

Luís PereiraGosto desta aposta do Azerbaijão, diferente, moderna e muito bem interpretada. Espero vê-la na final. 16/20

Maria Fernanda FonsecaEste país costuma, por norma, estar presente na Final do Festival. Contudo, entendo eu que já nos mostrou melhores trabalhos em anos anteriores. “Skeletons” é uma canção repetitiva, a interpretação da sua cantora é normal, cantada em inglês, e com pouca substância a enaltecer. 10/20

Pontuação Média dos Jurados Convidados: 12,62 | Pontuação Média dos Jurados do Site Festivais da Canção: 13,67
Pontuação Total:  224 pontos | Pontuação Média de todos os jurados: 13,18
Intervalo de Pontuação entre: 8 e 20 respetivamente de Nuno Marques da Silva e de João Velada

Posição País Pontos Média
Finlândia 296 17,41
Bélgica 251 14,76
Austrália 246 14,47
Geórgia 234 13,76
Suécia 229 13,47
Azerbaijão 224 13,18
Albânia 211 12,41
Montenegro 153 09,00

Fonte: Festivais da Canção

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s