Elisabete Soares, Isabel Campelo, Melo D e Tiago Machado comentam “Amar pelos Dois”

Continuamos a publicar as mensagens que temos recebido sobre a canção portuguesa para o Festival Eurovisão da Canção deste ano, o tema de Luísa Sobral, interpretado por Salvador Sobral que se intitula Amar pelos Dois. Estamos a verificar uma enorme onda de apoio em torno do nosso tema e os comentários que temos recebido são prova disso. O tema composto por Luísa Sobral para o seu irmão está a emocionar e cativar a opinião pública.

Hoje publicamos mais quatro testemunhos, desta vez de Elisabete Soares, Isabel Campelo, Melo D e Tiago Machado.

Elisabete Soares nasceu a 25 de Janeiro de 1975 e desde cedo que a música fez parte da sua vida. Há cerca de 20 anos que começou a sua atividade dedicada à música, à animação de rádio, entre outras vertentes desta área. Tem o curso de jornalismo e já trabalhou em vários rádios. Participou em vários programas de televisão como Big Show SIC, Herman SIC, SIC 10 Horas, entre outros. Deu voz a um dos temas da série da TVI, Bons Vizinhos, em dueto com Shila. Fez coros para os Santamaria e foi vocalista do grupo Lírio de Sal, com uma vertente mais de música tradicional portuguesa. Em 2001 participou na 4ª semifinal do Festival RTP, no Funchal, com o tema Tu És o Ser, com letra de Rui Baptista e música de Elisabete Soares e de Rui Baptista, que passou à final classificando-se em 7º lugar. Atualmente é uma das vozes aos microfones da Rádio No Ar, no Porto.
Fique com as palavras de Elisabete Soares sobre a nossa canção:
Na minha opinião, o tema que nos vai representar este ano no Festival da Eurovisão, é um tema muito bem conseguido, bem composto, bem cantado, com uma letra simples mas muito potente. Cantar o amor é sempre algo de se louvar. Aproveito a oportunidade, para dizer que não achei nada bonita, esta onda de preconceito que se gerou à volta da prestação do Salvador Sobral.Ser motivo de gozo, por si só, já é condenável. Ser motivo de gozo, quando alguém se comporta de uma forma diferente da nossa, muito mais condenável é. Para quem o chama de “anormal”, gostaria que me arranjassem uma explicação plausível para o que é ser “normal” e de preferência, que não seja uma explicação relacionada com as as normas impostas pela sociedade. Posto isto, desejo muita sorte ao Salvador, e que dê o seu melhor no Festival da Eurovisão. Para mim, já é um orgulho tê-lo como representante no nosso país. Força, Salvador!
Elisabete Soares

Isabel Campelo nasceu a 24 de Outubro de 1958 e é natural de Lisboa. É uma cantora portuguesa, tendo desde cedo começado a cantar, tendo participado nos Festivais da Canção em 1984 e 1985 como elemento dos coros, indo à Eurovisão com Adelaide Ferreira em 1985. Tornou-se conhecida por ser a voz do Vitinho e no final dos anos 80 editou o seu primeiro disco para o público infantil. Foi cantora residente em diversos programas da RTP nos anos 90, com destaque para Regresso Ao Passado (1990/1991). Participou como concorrente a solo nos Festivais da Canção em 1992 com Chuva de Alegria (semifinalista) e Boa Noite Tristeza (finalista). No ano seguinte foi a vez de defender Praia Sem Marés e em 1994, Malmequer do Campo, classificando-se em 4º e 3º lugar nos dois últimos anos. Tem trabalhado com inúmeros artistas, para além de ser professora e vocal coach em inúmeros programas.
Também ela não ficou indiferente à canção de Luísa Sobral e deixou-nos a seguinte mensagem:
“Amar pelos dois” foi um tema que, desde a primeira eliminatória, marcou pela diferença. Uma melodia lindíssima, cantada por um cantor/músico sensível cuja entrega à interpretação não deixou praticamente ninguém indiferente. A colmatar tudo o que já mencionei, um arranjo de cordas de extremo bom gosto de Luís Figueiredo. Penso que Portugal irá primar pela diferença num certame que, do meu ponto de vista, tem exibido muito fraca qualidade musical nos últimos anos – o Festival Eurovisão da Canção. Levamos uma canção representativa do melhor que neste momento se faz em Portugal, contrariamente a alguns anos passados.
Desejo que tudo corra pelo melhor ao Salvador. E será com muito orgulho que este ano irei assistir pela televisão ao momento da nossa participação em Kiev.
Isabel Campelo

Melo D nasceu em Angola, no Huambo e vive actualmente em Lisboa. Desde cedo que a música e o hip hop fazem parte da sua vida, tendo começado a criar rimas aos 13 anos na Escola Secundária da Amadora Fez parte do grupo Cool Hipnoise, da qual era vocalista, formada em 1994 e com a qual trabalha até ao final dos anos 90 para se dedicar a uma carreira a solo. Editou o seu primeiro trabalho em 2003, intitulado Outro Universo e em 2005 o disco Chega de Saudade. O seu último trabalho data do ano passado e tem por título Sou(l) de Lisboa. Mistura as sonoridades do hip hop, do funk, do soul e da música africana. Participou no Festival da Canção 2007 com o tema Será Cedo, em dueto com Elaisa, produzido por João Barbosa, dos Buraka Som Sistema, tendo-se classificado em 9º lugar.
Fique com as palavras de Melo D acerca da nossa canção:
O tema interpretado por Salvador Sobral foi para mim uma surpresa. Uma aposta que me pareceu arriscada, se recordarmos os temas vencedores das últimas edições do Festival da Canção, e grande parte da música que chega às massas promovida pela nossa indústria cultural.
Arranjo de cordas interessante, conteúdo textual de bom gosto, e uma interpretação bem conseguida, sem recorrer ao canto explosivo que muito parece estar em voga na pop dos tempos modernos. A acrescentar a estas características o facto de a voz ter personalidade, e perceber-se o gosto de cantor que é também músico. Parece evidente toda uma escola de cantores surgidos em meados do século XX, dos quais alguns dos expoentes máximos serão Chet Baker ou João Gilberto, Johnny Hartman ou Nat King Cole. Vozes de veludo que cantavam baixinho, com contenção, com emoção. Apoiadas pela qualidade musical a que o jazz nos habituou.
Melo D

Tiago Machado nasceu a 27 de Maio de 1979 em Lisboa, cidade onde reside atualmente. É professor, músico e produtor musical. Tem trabalhado com inúmeros nomes da música portuguesa dos quais se destacam: Boss AC, Carlos do CarmoMafalda Arnauth, Mariza, FF e Marco Rodrigues. Com este último participou no Festival da Canção 2008, como compositor do tema Em Água e Sal, classificando-se em 3º lugar. É um dos mais talentosos compositores do panorama musical português recente. Editou no passado mês de Março o seu primeiro trabalho discográfico intitulado Soundlapse, que se encontra à venda e o qual recomendamos aos nossos leitores.
Fique com as declarações deste compositor:
Uma bela composição, interpretada por alguém que tem uma sensibilidade e musicalidade acima da média. Parabéns, muita saúde e a melhor das sortes!
Tiago Machado

Agradecemos a Elisabete Soares, Isabel Campelo, Melo D e Tiago Machado a sua colaboração. Aceda aqui aos comentários já publicados anteriormente.

Fonte: Festivais da Canção | Depoimentos recolhidos por Miguel Meira

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s