Esta Festa das Canções – O nosso painel comenta a canção da Islândia

A Islândia iniciou as suas presenças no Festival da Eurovisão em 1986 e desde então apenas se ausentou em 1998 e 2002.
Este país tão a norte do continente europeu nunca venceu nenhuma edição do ESC, a sua melhor pontuação foi em 1999 e em 2009, dois segundos lugares. A estação de televisão RÚV viu três das suas canções atingirem o Top 5.
Desde a introdução do sistema de semifinais no ESC, a Islândia apenas foi privada em cinco anos de aceder às respetivas finais.
Este ano a canção apurada na sua final nacional, Söngvakeppnin, foi a canção Paper por Svala.
Esta canção vai desfilar com o número 13, na Primeira Semifinal que vai ter lugar a 9 de Maio.
Aceda aqui à nossa ficha para esta canção.

Comentários dos nossos convidados especiais à canção da Islândia:

Nuno Marques da SilvaBem escolhido o nome da canção islandesa. Puro papel e de fotocópia. Sim meus caros também não nos trazem nada de novo. Boa intérprete com certeza, mas não passa disso mesmo. 08/20

Pedro SáEste país não anda a passar uma boa fase eurovisiva. E creio que pelo terceiro ano consecutivo ficará afastado da final, após sete finais consecutivas. A canção é fraquinha e não tem nenhum atractivo especial. 09/20

Sérgio Lourosa AlvesA Islândia traz uma música que, tal como outras nesta semifinal, é uma música eletrónica monótona, sem grande essência, novamente uma música em branco. E, pegando no título da música, é um “Paper”/Papel em branco, porque não consegue passar uma mensagem em específico. Junta-se ainda o facto de a intérprete ter um timbre vocal estranho e que não é interessante. Em palco, de certo, que terá grande efeitos de luz à semelhança do vídeo oficial. 05/20

Sofia Vieira LopesUma canção electro-pop que não traz novidade ao palco de Kiev e que é muito semelhante ao que se ouve diariamente nas rádios. Svala Björgvins usa o papel como metáfora para o seu estado emocional mas, para mim, talvez o metal fosse uma metáfora melhor. Não fiquei minimamente convencida. 13/20

Carluz BeloApesar do arrojo do visual da intérprete, este tema apresenta-se como um dos mais pobres da primeira semifinal. Tirando o timbre da cantora, que é bonito em alguns versos, a canção resume-se a alguns detalhes que se salientam a nível instrumental. Neste caso, o minimalismo da canção nas estrofes, não é uma grande mais valia, apesar de fazer contraponto com refrões mais preenchidos. 08/20

João Ferreira“Paper” e Svala são a aposta islandesa para 2017. Entre Aminata e Margaret Berger está este grande tema, pouco falado nesta edição em Kiev. Pessoalmente gosto bastante do tema e estou expectante para ver a sua prestação em palco.
Svala é detentora de uma grande voz e uma artista muito experiente, que transborda “Star Quality”. Paper é uma composição eletrónica cheia de estilo. Uma das melhores composições de 2017.
Penso que estará presente na Final e com mérito. No meio de tantos temas banais, músicas como esta fazem claramente falta. 14/20

Jorge MangorrinhaUm papel não muito relevante. 13/20

Nina PintoUma canção ”déjà vu”, uma letra banal e uma não menos banal interpretação. Não me parece que tenha lugar na final. 11/20

Comentários dos elementos do site Festivais da Canção à canção da Islândia:

Guilherme RuivoGosto muito desta canção da Islândia e especialmente da cantora. Grande voz e performance ao vivo. Um dos casos em que se nota como a experiência pode elevar um artista acima dos outros. Tem um instrumental contemporâneo lembrando a Sia, mas ao mesmo tempo com uns toque de anos 80/90, lembrando um pouco a música que se fazia pela Escandinávia nessa época e que acabou por dominar os charts um pouco por todo o mundo. Contudo, é uma canção da Islândia e, como tal, é impossível saber como irá acabar. Provavelmente, nem passará à final, o que é uma pena. 18/20

João VeladaUma canção algo alternativa entre o pop e o eletrónico que possui uma certa carga revivalista da música de há alguns anos. Não é das minhas preferidas da edição de 2017, mas também não me desagrada. Um ponto positivo que merece ser destacado é, a a meu ver, a letra da canção. Poderá vir a ser finalista, embora não seja garantido, estando algures a rondar o décimo lugar da semifinal. 12/20

Luís PereiraUma canção interessante mas não me parece que tenha o potencial suficiente para passar à final. 10/20

Maria Fernanda FonsecaEsta semifinal é pautada por cantoras femininas que estão em vantagem em relação aos homens.
“Paper” é mais um tema eurovisivo, parecido com outros, não fazendo qualquer diferença em inovação. No entanto, mais uma cantora com uma excelente voz e um bom videoclip.
 10/20

Miguel MeiraA Islândia traz-nos novamente um tema eletrónico do qual se gosta mais à medida que se ouve. Não que seja um tema extraordinário, mas cumpre com o que é pedido, musicalidade moderna, letra com conteúdo, conforme Svala já referiu. Gosto da intérprete que tem uma enorme capacidade vocal e com um visual que cativa a audiência. Em palco será uma incógnita que determinará a passagem ou não à final. Por mim não me chocaria. 14/20

Vasco da Câmara PereiraGosto imenso da canção da Islândia. Pop cosmopolita britânico, com alguns apontamentos tribalistas. Lembra-me um pouco os primeiros trabalhos dos Depeche Mode. Gosto de ver um país escandinavo que não se vende à fábrica pop comercial sueca. 17/20

André Miguel GodinhoA Islândia apostou num pop agradável. A canção não é uma maravilha, mas tem alguns trunfos que a podem fazer destacar-se, nomeadamente o refrão bastante orelhudo e uma cantora com garra. 14/20

Carlos PorteloEste país tão a norte do continente europeu traz-nos um instrumental que não deslumbra, mas também não incomoda. A cantora defende muito bem o seu tema, possuidora de uma excelente voz.
Esta canção poderá estar em risco de passar à final, mas se for finalista não me choca, desde que passem também as mais fortes desta semifinal. Nota positiva para este “Paper”. 12/20

Gonçalo CoelhoExcelente surpresa, esta canção islandesa! Depois de dois anos com maus resultados (o de 2016 completamente injustificável), a Islândia apresenta-se na Eurovisão com um tema forte, moderno e com uma mensagem interessante e valiosa. “Paper”, com base na explicação da intérprete, parece abordar a questão da ansiedade, um problema de saúde aparentemente invisível mas que aplica profundos golpes na vida e na estabilidade do paciente. Svala é uma cantora experiente, tanto a nível pessoal como a nível profissional, e por isso sabe muito bem como dar vida a esta mensagem. Adoro a interpretação que faz da canção e a forma como se apresenta em palco. Tem muita presença e energia e possui um pouco de loucura, visível nos seus gestos e nas expressões, que a tornam uma cantora única. Não percebo porque é que a Islândia está a ser tão subvalorizada este ano. Esta canção merece passar à final e tenho esperança de que tal aconteça. 17/20

Pontuação Média dos Jurados Convidados: 10,12 | Pontuação Média dos Jurados do Site Festivais da Canção: 13,78
Pontuação Total: 205 pontos | Pontuação Média de todos os jurados: 12,06
Intervalo de Pontuação entre: 05 e 18 respetivamente de Sérgio Lourosa Alves e de Guilherme Ruivo

Posição País Pontos Média
Portugal 327 19,23
Finlândia 296 17,41
Bélgica 251 14,76
Austrália 246 14,47
Geórgia 234 13,76
Suécia 229 13,47
Azerbaijão 224 13,18
Polónia 214 12,59
Albânia 211 12,41
10º Islândia 205 12,06
11º Grécia 185 10,88
12º Montenegro 153 09,00
13º Moldávia 133 07,82

Fonte: Festivais da Canção

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s