Esta Festa das Canções – O nosso painel comenta a canção da Dinamarca

A Dinamarca iniciou as suas participações no Festival da Eurovisão da Canção em 1957, ausentou-se entre 1967 e 1977, retomando as suas presenças no ESC em 1978 e até agora apenas não esteve presente em 1994, 1998 e 2003.
Este país venceu por três vezes: em 1963 com o tema Dansevise pelo duo Grethe & Jørgen Ingmann; em 2000 com a canção Flying on the wings of love com outro duo, os Olsen Brothers e em 2013 com Emmelie de Forest e a canção Only Teardrops. A Dinamarca esteve por 14 vezes no Top 5.
O país da sereia apenas não conseguiu passar à final nos anos de 2004, 2007, 2015 e 2016.
Este ano a Dinamarca realizou o seu habitual Dansk Melodi Grand Prix onde foi apurada a canção Where I am com interpretação de Anja.
Esta canção sobe ao palco na 8ª posição da segunda semifinal que decorrerá a 11 de maio.
Aceda aqui à nossa ficha para a canção dinamarquesa.

Comentários dos nossos convidados especiais à canção da Dinamarca:

Carluz BeloSejam bem-vindos aos Estados Unidos da América! Estou a brincar, mas de facto foi a primeira sensação que tive ao ouvir os primeiros acordes deste pop indiferenciado. Para mim, além da canção apresentar um refrão muito pobre, tem problemas na própria estrutura melódica, o que torna este tema muito pouco interessante. 04/20

João FerreiraBoa interpretação de Anja para uma canção bem mediana como Where I Am. A intérprete dará tudo em palco e terá de ser essa a aposta para alcançarem a Final.
Não tenho grande apreço por este tema e em alguns momentos acho-o cansativo. 10/20

Jorge MangorrinhaUma balada pop intemporal é enriquecida por uma voz intensa e um domínio de palco que a podem colocar num lugar na final, mas não mais. 16/20

Nina PintoOutra presença mais que certa na final. A cantora dinamarquesa nascida na Austrália, Anja Nissen é senhora de uma grande voz e é seguríssima na sua interpretação de ”Where I Am” . Ainda assim pessoalmente a canção não me diz muito, é igual a tantas outras que já ouvimos em outras edições. 14/20

Nuno Marques da SilvaOs dinamarqueses são outros que gostam mesmo disto. Se bem que este ano não vai chegar conseguirem agarrar o caneco. A canção é fraquinha pese embora a boa classificação nas bolsas de apostas. Mas enfim está em linha com aquilo que andamos a ouvir. 12/20

Pedro SáA melhor final nacional do ano deu nisto…quando vi os três superfinalistas previ este desfecho…os dinamarqueses são extremamente conservadores a votar…e se calhar por isso é que pelo terceiro ano consecutivo estarão fora da final. Tinham nessa superfinal uma canção claramente candidata ao top 10 e temos o que temos. 07/20

Sérgio Lourosa AlvesOutra grande balada da Eurovisão 2017. Mas neste caso, o que segura a música e a eleva a um patamar muito bom é a qualidade da intérprete. Anja é extraordinária, nota-se porque ganhou o The Voice Australia. Quando pensamos que não consegue atingir mais agudos, na parte seguinte da música, e sobretudo no final, Anja consegue surpreender pela positiva. Estes agudos são excelentes, não sendo estridentes e feitos com uma grande segurança. Contudo, a parte instrumental da música, com um ritmo que por vezes parece não se enquadrar com a métrica da letra, poderia estar melhor trabalhado, acompanhando a excelência da vocalista. 17/20

Sofia Vieira LopesEsta canção dá primazia à voz da cantora, vencedora do The Voice Austrália. Eu não aprecio a canção, apesar de não achar propriamente feia. Tenho a sensação de já ter ouvido isto muitas vezes Aposta num refrão gritado para mostrar a poder vocal da cantora, o que torna a canção bastante cansativa. Na minha opinião, gritar não significa mostrar as qualidades vocais… 13/20

Comentários dos elementos do site Festivais da Canção à canção da Dinamarca:

Maria Fernanda Fonseca“Where I Am” é um tema forte e ao jeito eurovisivo, contudo tem através da sua intérprete a mais valia da canção. Uma alma dada ao tema, faz com que seja muito provável poder ouvi-la novamente na final. A Dinamarca já nos ofereceu melhores temas do que este ano.  10/20

Miguel MeiraA Dinamarca tem uma excelente intérprete que mostra neste tema toda a sua capacidade vocal. Tema tipicamente dos países escandinavos, com uma excelente produção e que será sem dúvida finalista. 16/20

Vasco da Câmara PereiraÉ uma má canção? Não. Será uma boa proposta? Também não. Trata-se de um tema bem disposto, tipicamente escandinavo e que já ouvimos milhares de vezes na Eurovisão. Não consigo entender como este tipo de canções continua a ser tão bem recebido pelos fãs do século XXI . 11/20

André Miguel GodinhoA Dinamarca voltou a apostar bem! Não será uma canção para disputar a vitória, mas poderá ficar bem classificada. Cantada com muita garra por uma cantora muito telegénica. 16/20

Carlos Portelo Este ano a Dinamarca não joga forte. Contudo, apresenta uma canção com alguma força, servida por uma boa voz e agradável presença. Todavia, falta o principal uma canção que marque. Possivelmente será finalista. 12/20

Gonçalo CoelhoA Dinamarca está de volta à competição! Esta canção não é nenhuma obra de arte e peca por ser igual a muitas outras que ouvimos todos os dias na rádio, mas é um tema competitivo e forte, capaz de causar grande impacto na Eurovisão deste ano. O maior trunfo desta proposta é mesmo a intérprete, que tem uma voz enorme e é muito segura em palco – mesmo estando sozinha, preenche todo o cenário. Canta com garra mas mantém o seu sorriso, o que faz com que sintamos facilmente empatia por ela. De um modo geral, é uma entrada muito sólida que vai levar a Dinamarca a um bom resultado na final. 15/20

Guilherme RuivoDepois de uma época gloriosa, a Dinamarca não conseguiu atingir a final por dois anos consecutivos, um recorde para este país. Este ano tem uma canção para um público mais abrangente e uma cantora bonita e competente. Ainda assim, não vejo nada de especial nesta canção. Parece uma proposta albanesa, com uma produção de maior qualidade. Simplesmente isso. Tendo também em conta a sua ordem no alinhamento e o facto de a Alemanha e a Noruega serem os únicos “amiguinhos” a votar nesta semifinal, a passagem à final poderá estar comprometida. Por outro lado, como a eliminatória é fraca, talvez a Dinamarca consiga mesmo passar e com algum conforto, mas na final, fará os últimos. 13/20

João VeladaJulgando pela atuação ao vivo na final nacional dinamarquesa, é inegável que estamos aqui perante uma das melhores vozes femininas da edição deste ano. A canção, embora não trazendo novidade alguma, é bastante forte e capta o interesse dos ouvintes do início ao fim. Finalista garantida e potencial top 10. 17/20

Luís Pereira A Dinamarca este ano traz-nos uma canção fraca e que facilmente se esquece. A única mais valia é a intérprete que canta o seu tema com alma. Apesar disso não me parece que consiga passar à final. 10/20

Pontuação Média dos Jurados Convidados: 11,62 Pontuação Média dos Jurados do Site Festivais da Canção: 13,33
Pontuação Total: 213 pontos | Pontuação Média de todos os jurados: 12,53
Intervalo de Pontuação entre: 04 e 17 respetivamente de Carluz Belo e de João Velada/Sérgio Lourosa Alves

Posição País Pontos Média
Hungria 250 14,70
Holanda 238 14,00
Malta 234 13,76
Dinamarca 213 12,53
Sérvia 212 12,47
Áustria 210 12,35
ARJ da Macedónia 204 12,00
Roménia 173 10,18

Fonte: Festivais da Canção

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s