Carlos Araújo, Maria José Almeida, Pedro Sá e Sérgio Rossi comentam “Amar pelos Dois”

Continuamos a publicar as mensagens que temos recebido sobre a canção portuguesa para o Festival Eurovisão da Canção deste ano, o tema de Luísa Sobral, interpretado por Salvador Sobral que se intitula Amar pelos Dois. Estamos a verificar uma enorme onda de apoio em torno do nosso tema e os comentários que temos recebido são prova disso. O tema composto por Luísa Sobral para o seu irmão está a emocionar e cativar a opinião pública.

Hoje publicamos mais quatro testemunhos, desta vez de Carlos Araújo, Maria José Almeida, Pedro Sá e Sérgio Rossi.

Carlos Araújo nasceu a 11 de Janeiro de 1960 e vive a maior parte do tempo em Lisboa. É músico e tem feito parte de inúmeras bandas, tendo acompanhado diversos artistas como Gabriela Schaaf ou Tito Paris. Em conjunto com Miguel Braga e André Sarbib formaram também vários grupos musicais. Continua a tocar e a cantar em diversos locais na zona do Porto e também e várias sessões de jazz. Fez parte da orquestra do Festival da Canção em 1983 e no ano seguinte, integrado no Quinteto de Paulo de Carvalho interpretou o tema (Já) Pode Ser Tarde. Voltou ao Festival em 1986 como elemento da banda que acompanhou Né Ladeiras no tema Dessas Juras Que Se Fazem. Editou no ano passado um trabalho intitulado Duo.
Fique com as palavras de Carlos Araújo sobre a nossa canção:
“Amar pelos dois” é uma belíssima canção, muito bem defendida pelo Salvador. É bem construída, original e foge ao estereotipo “das canções para festival” que alguns tanto defendem, pesem os resultados obtidos! É bonita e verdadeira! É uma lufada de ar fresco e, até que enfim, uma mudança de paradigma, como agora se usa dizer! Espero, sinceramente, por um bom resultado na Eurovisão e acredito no impacto e novidade que o Salvador será para a comunidade que o vai avaliar. Estão de Parabéns a autora, o intérprete e a RTP.
Carlos Araújo

Maria José Almeida nasceu a 24 de Fevereiro de 1958. A sua primeira participação no Festival da Canção foi em 1977, quando integrou o grupo Green Windows na interpretação dos temas Rita, Rita, Limão e O Que Custar. Voltou novamente mas desta vez a solo para defender a canção Mensagem de Paz e Amor, na 2ª semifinal do Festival Canção 1980, com o nome artístico de . No ano seguinte fez coros para os temas Tempo de Partir, interpretado por Samuel, e Amor em Agosto, por Joana & Pedro. A sua última participação no Festival foi em 1984, com o nome artístico de Marisa, quando interpretou o tema Num Olhar. Desde aí abandonou a carreira artística.
Também ela não ficou indiferente à canção de Luísa Sobral e deixou-nos a seguinte mensagem:
A canção “Amar pelos Dois” é uma das melhores músicas dos últimos anos do Festival da Canção, bem estruturada ao mesmo tempo simples, embora não tenha um cunho festivaleiro, ou seja, não comercial! Mesmo assim aposto que venha a ter uma boa pontuação! Parabéns aos irmãos Sobral!
Maria José Almeida

Pedro Sá nasceu a 25 de Março de 1975. É um fã convicto do Festival da Canção e da Eurovisão e um dos primeiros membros da OGAE Portugal. Como fã foram muitas as ocasiões que se deslocou ao vivo para ir à Eurovisão e poder privar do verdadeiro espírito eurovisivo. Trabalha como jurista na ANACOM e participou já em dois programas na RTP: Got Talent, onde interpretou Lane Moje, e Os Extraordinários, onde foi posto à prova o seu conhecimento eurovisivo. Foi ele o letrista do tema Tensão, que Filipa Ruas interpretou no Festival da Canção 2011.
Fique com as palavras de Pedro Sá acerca da nossa canção:
Que mais há a dizer sobre o nosso Salvador senão que esperamos a nossa melhor classificação de sempre e de forma mais que justificada? Ao que acresce que não há onde inventar na apresentação visual e que sabemos que isso vai correr bem. E não sendo a hipótese mais provável este ano temos razões para poder sonhar que é finalmente no próximo ano que receberemos em Lisboa toda a Europa.
Pedro Sá

Sérgio Rossi nasceu a 6 de Agosto, em Lisboa. Desde cedo que a música entrou na sua vida, sendo que aos 9 anos já tocava guitarra e cantava. Aos 13 anos começou a sua formação musical no Instituto Musical Matono e aos 17 anos foi a vez de começar a cantar e a tocar em bares com várias bandas. Gravou o seu primeiro disco aos 21 anos e desde aí nunca mais parou. Conta já com 18 anos de carreira e tem como principais influências Luis Miguel, Ricky Martin ou Michael Bolton. Entre as baladas românticas e os ritmos mais latinos, Sérgio Rossi tem conquistado o seu público nos inúmeros concertos que faz quer em Portugal, quer por todo o mundo. Participou com sucesso na última série do programa A Tua Cara Não Me É Estranha. É irmão de Romana e sobrinho de Ágata. Editou recentemente o seu último trabalho intitulado 18.
Fique com as declarações deste cantor:
Acho que o tema está muito bem conseguido, adoro a letra e a forma como o Salvador a interpretou. Tem um jeito muito próprio e carismático.
Poderá ser uma mais valia para Portugal na Eurovisão.
Sérgio Rossi

Agradecemos a Carlos Araújo, Maria José AlmeidaPedro Sá e Sérgio Rossi a sua colaboração. Aceda aqui aos comentários já publicados anteriormente.

Fonte: Festivais da Canção | Depoimentos recolhidos por Carlos Portelo e Miguel Meira

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s