Esta Festa das Canções – O nosso painel comenta a canção do Reino Unido

O Reino Unido acedeu ao Festival da Eurovisão em 1957 e até agora só não marcou presença neste certame em 1958.
Este país consagrou-se vencedor cinco vezes: em 1967 com a canção Puppet On A String por Sandie Shaw; em 1969 com Boom Bang-a-Bang por Lulu (neste ano foram também vencedoras as canções de Espanha, França e Holanda); em 1976 com Save your kisses for me pelos Brotherhood of Man; em 1981 com Making your mind up pelos Bucks Fizz e em 1997 Katrina & The Waves levam para o Reino Unido a sua última vitória com o tema Love shine a light.
Do total de canções do Reino Unido, 29 alcançaram o Top 5 eurovisivo e 15 ficaram em 2º lugar.
Por ser um dos Big 5 este país está sempre presente nas finais do ESC. Este ano a BBC levou a efeito a sua final nacional, intitulada You Decide, onde se consagrou vencedora Never give up on you por Lucie Jones.
Aceda aqui à nossa ficha para a canção do Reino Unido.

Comentários dos nossos convidados especiais à canção do Reino Unido:

Carluz BeloAos meus ouvidos, estamos perante uma intérprete bastante competente. Apesar desta balada ter uma produção musical bastante bem enquadrada, a meu ver, peca por alguma falta de originalidade. Além disso, tem um outro problema mais grave, que é o facto dos acordes da entrada do refrão, com a melodia escolhida, já terem sido muito ouvidos no passado. Penso que só um refrão construído de outra forma, poderia eventualmente “salvar” este tema. Mais uma vez, prevejo um lugar de pouco destaque para o Reino Unido. 10/20

João FerreiraOutra balada. Mas uma boa balada. Lucie Jones é o todo de “Never give up on you”. A sua interpretação é a grande mais-valia de uma aposta que foi das melhores músicas a concurso na seleção interna britânica. Porque será que a Inglaterra não consegue igualar na Eurovisão o seu poder no mercado discográfico europeu e mundial? Algo a pensar.
Este tema é bem construído mas mais uma vez, tenho receio que não seja memorável o suficiente para constar nos lugares cimeiros de Kiev 2017. 
A nação de sua Majestade não tem do que se envergonhar este ano, mas não pode esperar mais que um nobre lugar a meio da tabela, na minha opinião. 14/20

Jorge MangorrinhaBalada que sem ser distinta não compromete os pergaminhos britânicos. 15/20

Nina PintoUma das baladas mais fortes deste ano que se coaduna perfeitamente com a voz da cantora Lucie Jones. Pode bem ser uma boa surpresa. 16/20

Nuno Marques da SilvaDe terras de sua majestade chega-nos uma canção que pelo menos consegue colher muitas simpatias. Uma óptima intérprete a ajudar os britânicos a regressarem a propostas mais consistentes. Pode fazer uma boa classificação apesar de não achar que seja uma canção que nos vá ficar muito na memória. 15/20

Pedro SáSeca, seca, seca, seca. Daquelas que no final do espectáculo ninguém se vai lembrar. 10/20.

Sérgio Lourosa Alves – O Reino Unido volta a apostar numa grande balada para a final, e que balada extraordinária. Adoro! É uma das minhas músicas preferidas, pois, na primeira vez que a ouvi, cantada ao vivo na escolha nacional, arrepiei-me imenso. O poema é muito bem construído, com metáforas e imagens que fazem um total sentido, notando-se que é a sua língua-mãe. A estrutura da música, começando somente com o piano e em crescendo até um refrão triunfal, faz com esta música seja uma obra-prima. A cantora é muito boa, uma das melhores deste ano. Já gostava dela desde que apareceu no X-Factor UK e acompanhei as suas prestações. A Lucie transmite uma segurança de interpretação muito acima da média quando faz coisas com a voz que são muito difíceis, numa tonalidade difícil, por si de suportar, ainda que esteja sempre em crescendo. As notas agudas e suspensas são fenomenais e feitas com uma segurança brutal. Para mim, uma das minhas 10 preferidas. 20/20

Sofia Vieira LopesLucie Jones tem uma voz bonita, mas não gosto do registo quase sempre forçado que se torna muito cansativo. Não apresenta uma linha melódica cantável, apenas a repetição de notas, o que não valoriza as qualidades vocais que a cantora aparenta ter. O refrão obedece ao mesmo esquema e não fica no ouvido. Soube a pouco… 13/20

Comentários dos elementos do site Festivais da Canção à canção do Reino Unido:

Guilherme RuivoA versão para o ESC é bastante melhor que a da final nacional e tornou uma canção morna numa balada portentosa e que permite que a sua intérprete brilhe. Não é certamente uma das melhores entradas deste país, mas está acima da média das propostas por si apresentadas nos últimos anos. Não irá ficar no top 5, como em 2009 quando também levou uma balada forte, mas também não deverá ficar pelos últimos lugares. 13/20

João VeladaNos últimos anos, não têm sido muitas as ocasiões em que se possa dizer isto, mas… eis finalmente uma canção britânica merecedora de atenção! A cantora tem uma voz bonita e segura, “vendendo” a sua canção com muita paixão e emoção e acreditando naquilo que está a cantar. Em resumo, adoro esta aposta do Reino Unido e sou permeável aos sentimentos que ela transmite. Gostava que fosse candidata ao top 10, mas, após o Brexit, este país não tem sido muito amado a nível europeu e receio que isso se venha a refletir na classificação desta canção. 20/20

Luís PereiraMais uma balada e muito bonita. Espero que desta vez o UK desencalhe embora não me parece que consiga chegar ao top 10. 15/20

Maria Fernanda FonsecaGostaria de ver este país com outro registo de canção, eles sabem fazer melhor, no entanto apresenta-se com uma balada em crescendo “Never Give Up on You”, onde a cantora Lucie Jones tem uma interpretação que realça o tema. Sem registos de inovação a registar, está já final por direito adquirido. 10/20

Miguel MeiraHá muitos anos que o Reino Unido não apresentava uma proposta com tanta qualidade. Uma balada em crescendo com sonoridades modernas, servida por uma excelente voz de Lucie Jones, que a interpreta de forma magnífica. A mensagem de nunca se desistir de um grande amor também transmite uma sensação de segurança a quem ouve este tema! Parabéns Reino Unido! 18/20

Vasco da Câmara PereiraQue estopada que é esta canção do Reino Unido. Balada datada, muito previsível e nada inovadora. Nas poucas coisas em que estou de acordo com o Christer Björkman é que de facto o Reino Unido, nos últimos anos, já nem sequer tenta. 05/20

André Miguel GodinhoUma canção notável e muito bem interpretada. Sem artifícios, uma aposta no bom gosto e simplicidade. Séria candidata ao top 5 como há muito não se via numa aposta do Reino Unido. 16/20

Carlos PorteloAssim, sim Reino Unido. De regresso às baladas com uma fantástica canção e uma excelente voz. 17/20

Gonçalo CoelhoA canção britânica poderia perfeitamente estar no mesmo patamar das canções de Portugal e da Finlândia, mas eis que a estupidez crónica da BBC se manifestou novamente no revamp feito a esta canção. Aquilo que mais adorava nesta proposta era a sua simplicidade e crueza. A música era apenas um acompanhamento de fundo para a interpretação sentida, dramática e arrepiante da fantástica Lucie Jones. Neste momento, uma série de sons computadorizados invadiram o instrumental e comeram parte da profundidade da voz da intérprete. A canção está demasiado cheia com sons intrusivos e incómodos. Já não é mais uma obra de arte; é apenas mais uma balada-pop construída com o intuito de impressionar, mas sem a simplicidade que, essa sim, a destacava entre as demais propostas desta Eurovisão. Apesar disso, a melodia é lindíssima e a letra é perfeita. Não desejo azar ao Reino Unido, mas espero que não se arrependam da mudança. 16/20

Pontuação Média dos Jurados Convidados: 14,12 Pontuação Média dos Jurados do Site Festivais da Canção: 14,44
Pontuação Total: 243 pontos | Pontuação Média de todos os jurados: 14,29
Intervalo de Pontuação entre: 05 e 20 respetivamente de Vasco da Câmara Pereira e de João Velada/Sérgio Lourosa Alves.

Apresentamos o nosso ranking com as 20 canções nossas finalistas (saídas da primeira e segunda semifinais) acrescido das canções finalistas à partida, hoje já incluídas as canções da Alemanha, Espanha, França, Itália e Reino Unido.

Posição País Pontos Média
Portugal 327 19,23
Itália 299 17,59
Finlândia 296 17,41
França 263 15,47
Bielorrússia 252 14,82
Bélgica 251 14,76
Hungria 250 14,70
Irlanda 247 14,53
Austrália 246 14,47
10º Estónia 243 14,29
10º Reino Unido 243 14,29
12º Arménia 240 14,12
13º Bulgária 239 14,06
14º Holanda 238 14,00
15º República Checa 237 13,94
16º Israel 235 13,82
17º Malta 234 13,76
17º Geórgia 234 13,76
19º Suécia 229 13,47
20º Suíça 227 13,35
20º Eslovénia 227 13,35
22º Azerbaijão 224 13,18
23º Dinamarca 213 12,53
24º Espanha 166 09,76
25º Alemanha 156 09,18

Fonte: Festivais da Canção

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s