Fomos ver “Let The Sunshine In” e viemos com a alma cheia

Fomos ver ontem o musical Let the Sunshine In que faz uma viagem pelos factos e músicas que marcaram os anos 60 do século passado. Canções que embora nascendo nesta década perpetuaram-se como grandes temas de sempre da música internacional.

Em palco Henrique Feist, Vanessa Silva, Daniel Galvão, Diogo Leite, Valter Mira e uma banda dirigida por Nuno Feist. Foi cerca de hora e meia de boa música e grandes interpretações, um espetáculo que devido ao sucesso obtido junto do público que ontem encheu a o Auditório do Casino Estoril se prolongará pelo mês de Setembro, a todas as sextas-feiras e sábados.
Em pleno mês de Agosto com muitos dos moradores da área de grande Lisboa a usufruírem das suas férias fora da capital portuguesa este musical continua a contar com a presença do público português.

O espetáculo inicia-se com La valse à mille temps na interpretação de Henrique Feist e termina com o tema que dá nome ao espetáculo Let the Sunshine In com todos os intérpretes e músicos em palco a transmitirem esta calorosa mensagem e a entregarem ao público este sol brilhante que emana das suas vozes e almas de excelentes atores e intérpretes.

Henrique Feist está no seu melhor trazendo a este musical o seu lado de excelente, ator, cantor e bailarino. Como já há algum tempo temos vindo a dizer ele reúne em si excelentes características que fazem de si o grande profissional que é. Nas suas expressões faciais as mensagens musicais passavam como se tivessem legendas. O Teatro está nele e é no Teatro que Henrique Feist é profissionalmente completo.  Como há alguns anos interpretou no Cabaret ele é realmente do Teatro o Teatro está no seu ADN.

Vanessa Siva está de regresso aos palcos portugueses após prolongada ausência, para nós pareceram séculos, em digressão pelo mundo. A única intérprete feminina deste musical, ela é certamente o sol que brilha forte neste musical. Numa perfeita  e harmoniosa interação com as figuras masculinas deste musical ela tem tudo na voz. Alguém na sala perguntava o que é que Vanessa Silva tem menos que Tina Turner e outro alguém respondeu apenas duas coisas, menos idade e nasceu em Portugal, mas o talento e o poder interpretativo é tão grande ou ainda maior que o dessa mítica figura do espetáculo norte-americano.

Daniel Galvão, Diogo Leite e Valter Mira são os restantes atores e cantores deste musical dando um valoroso contributo de talento jovem a todo o musical e que bem que interpretaram o célebre Ele e Ela que Madalena Iglésias popularizou e imortalizou.
Não podemos de deixar de destacar Daniel Galvão por todas as qualidades artísticas que este jovem talento possui, com um excelente poder vocal e interpretativo, assim como os seus dotes enquanto ator.
Daniel Galvão não é uma estreia neste musical, na medida em que apesar se ser muito jovem já participou em vários espetáculos teatrais e na última edição do The Voice foi um dos mais fortes candidatos à vitória e que bem que lhe teria assentado.
Em Let the Sunshine In Daniel Galvão brilha e revela-se como um proeminente ator e cantor.

Não podemos deixar de mencionar Nuno Feist e os restantes elementos da banda que tocaram praticamente durante uma hora e meia sem parar. O maestro e o músico Nuno Feist brinda-nos com a interpretação de duas canções, sim porque ele também canta e bem, lembram-se dele no duo Nuno & Henrique? Pois é verdade, como La Bohème lhe assentou tão bem!

Pedro Bandeira foi o criador de todas as coreografias deste espetáculo, um trabalho digno de referência.

Algumas das canções portuguesas dos anos 60 também fazem parte do alinhamento do espetáculo como Ele e Ela (FC/ESC1966), Óculos de Sol e Desfolhada (FC/ESC1969), originalmente interpretadas e popularizadas respetivamente por Madalena Iglésias, Natércia Barreto e Simone de Oliveira. Neste musical as interpretações couberam Daniel Galvão, Diogo Leite e Valter Mira (Ele e Ela), Vanessa Silva (Óculos de Sol) e Todos em Desfolhada.
Por falar em festival foi muito bom ver Vanessa Silva em Non Ho L’età, a canção que representou a Itália e se tornou a grande vencedora do ESC1964, ano em que Portugal iniciou as suas presenças no Festival Eurovisão da Canção.

São muitos os motivos porque recomendamos este musical, deixe o sol inundar a sua vida porque ele sai do palco do Auditório do Casino Estoril diretamente para a plateia, deixe este caloroso sol entrar em si e não precisa de protetor porque estes raios de sol não causam danos dermatológicos.

Aceda aqui ao nosso anterior destaque de promoção deste espetáculos no vários programas das estações de televisão portuguesas.

Henrique Feist – FC1985-FC2007-FC2011
Vanessa Silva – FC2007-FC2008-FC2010
Nuno Feist – FC1985-FC1995-FC2007-FC2008-FC2010-FC2011-FC2012-FC2014-FC2015-FC2017

Fonte: Festivais da Canção | Elementos do site destacados: Carlos Portelo, Luís Pereira e Maria Fernanda Fonseca

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s