Esta Festa das Canções 2020 – Alemanha

A canção da Alemanha | Germany’s song

Título Violent Thing
Intérprete – Ben Dolic
Estação de televisão – NDR
Processo de seleção – Seleção Interna
O nosso destaqueBen Dolic é o representante alemão no ESC2020 com o tema “Violent Thing”
Sponsor da Alemanha para este site: André Miguel Godinho
Atuação
 – Seria na Final  16 de maio
Melhor Pontuação no ESC – 1982 – 2010 – 1º lugar

Comentários dos nossos convidados

Nina Pinto – Uma canção muito actual, fica no ouvido, gosto bastante mas deixa-me algumas dúvidas quanto à prestação vocal do Ben Dolic. Estaria à altura? Resultaria tão bem em palco? Nunca saberemos. 17/20

Nuno Marques da Silva – Um tema que poderia ser ao gosto de muitos fans. Eu confesso que não será a minha melhor praia. A androgenia vocal do intérprete empresta-lhe um acerta originalidade, mas não me cativa. Ficará guardada no baú do: foi só mais uma. 13/20

Pedro Sá – Estamos bem…canção muito interessante…seria candidata ao top 5…17/20

Rita Laranjeira – Considero que este ano há um grande refresh em termos de estilos musicais. A canção Alemã “Violent Thing” é um desses exemplos, e eu gosto! Tem um ritmo bastante enérgico. A actuação ao vivo na Eurovisão de certo iria por os fãs a saltar e a dançar. No entanto a música em si não é nada do outro mundo! 14/20

Sofia Vieira Lopes – Não me convence… nem para dançar… Uma canção banal, com uma voz desinteressante…09/20

Bruno Penim – Música para dançar mas agradável. O timbre vocal enquadra-se muito bem no género, criando um resultado final que poderia trazer um Top10: 15/20

Carluz Belo – Um tema leve e descontraído, que não me toca particularmente. Está bastante bem conseguido de forma geral, dentro do género que propõe. Serve para dançar e o vocalista tem uma voz bastante característica. 14/20

João Ferreira –  Mais uma canção pop, moderna e ritmada. Se na verdade “Violent Thing”, não se destaca, não surpreende, nem colocaria a Alemanha no TOP 10, pelo menos é visível o regresso deste importante financiador da EBU, num tema bem cuidado e produzido. Mais uma canção engraçada para criar furor no Euroclub, mas que dependeria no Certame de uma boa apresentação em palco, para a qual já tinham garantido o coreógrafo de Justin Timberlake. Não é extraordinária, mas também não é má. 11/20

Comentários dos elementos do site Festivais da Canção

Vasco da Câmara Pereira – Uma participação que me provoca sentimentos contraditórios. Por esse mesmo motivo, terei que falar em separado da canção e do intérprete.
Considero “Violent thing” uma das canções mais up-to-date e mainstream da edição do ESC deste ano. Bons acordes e harmonias, uma excelente produção e um desenvolvimento melódico bastante interessante. Tudo ingredientes que são habituais nas canções que Borislav Milanov, compositor desta canção, tem trazido aos palcos eurovisivos (só este ano, tinha a concurso três, das quais duas eram grandes favoritas).
Já o mesmo não posso dizer de Ben Dolic. Além de lhe faltar maturidade interpretativa, na minha estética musical, tem um timbre vocal do mais irritante que há. Daqueles que me arrepia negativamente e me custa imenso ouvir.
Esta antipatia face às capacidades vocais de Ben é tal, que leva a que seja uma das canções cheia de potencial para estar no topo da minha tabela de favoritos e que acaba por ficar bem cá para baixo. Com outro intérprete – a Poli Genova, por exemplo – esta canção seria um sério concorrente a uma excelente classificação para a Alemanha. No entanto, com este intérprete, não acredito que fosse muito longe. Tremendo erro de casting! 14/20

André Miguel Godinho – Um tema muito cativante e orelhudo! Podia ser o regresso da Alemanha aos tops, depois do excelente resultado de 2018 com uma balada, agora completamente diferente, Bem Dolic ia oferecer um tema dance ao palco da Eurovisão. Resta saber como seria a sua atuação, e esta ia ditar o seu sucesso ou não. 16/20

Carlos Portelo – Uma canção mediana, não sou fã do estilo, nem do timbre de voz do cantor. Esta é mais um canção que gostaria ver como ficaria em palco. Para quando a Alemanha voltar a cantar no seu idioma? 11/20

Gonçalo Coelho – Com exceção do magnífico tema de 2018, as canções da Alemanha na segunda metade da década passada foram medíocres e mereceram os fracos resultados obtidos. Tenha pena de, no ano em que este país despertou para a competição, a mesma ter sido cancelada. Com este “Violent Thing”, a Alemanha regressaria a um lugar bastante bom, provavelmente dentro do top 10. É um tema atual, vibrante e viciante, com uma produção bastante boa. A melodia prende-se ao ouvido e faz-nos apetecer dançar. Esperemos que em 2021 a Alemanha não baixe a fasquia. 19/20

Luís Pereira – Engraçada, mas para mim não. Acredito que muito fã eurovisivo goste. 10/20

Maria Fernanda Fonseca – Muito ritmo, batida moderna, Pop/Sound, boa para dançar, cantada em inglês e um intérprete que está ao nível do tema. Este país já fez muito melhor.  10/20

Melhor pontuação para esta canção: 19 pontos de Gonçalo Coelho
Pior pontuação para esta canção: 9 pontos de Sofia Vieira Lopes
Total da pontuação dos jurados convidados: 110 pontos | Média: 13.75
Total da pontuação dos jurados do site: 80  pontos | Média: 13.33
Pontuação total: 190 pontos | Média: 13.57

Fonte: Festivais da Canção

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.